Sergio Olivera

Compartimos CULTURA

Archivos por Etiqueta: Poesias publicadas

Poesias publicadas


FONTE: blogsimpleseclara.blogspot.com
clarice.lucia@gmail.com

Gosto de gente
Fatima Mello-fofinha

Gosto de gente que é capaz de se emocionar
com a lagrima de um velho,
com o sorriso franco da criança,
Gosto de gente que seja capaz
de admirar a gota de chuva
que escorre pela janela,
que aprecia o cheiro da terra molhada.
Gosto de gente,que não olhe aparências
e vá mais fundo so aprecie o que lhe vai n’alma…
Gosto de gente que luta que briga
que não espera as coisas acontecerem
mas que também seja afável com o irmão,
Gosto de gente que goste da vida
mas que principalmente a vida goste dela,
saiba amar com intensidade com entrega,
sem ver cor somente coração
Gosto de gente que não espera acontecer
mas que faça acontecer ,
sem ferir nem magoar
nem passar por cima de ninguém
Gosto de gente honesta e franca
que não sonhe com um mundo
que jamais será seu, mas que vá a luta
pra conquistar seu espaço
Gosto de gente que saiba ajudar gente
que jamais meça esforços
para elevar o outro ao sucesso
Enfim gosto de gente que goste de mim
do jeito que sou da forma que for.

================================================

Que se passa com meu mundo
Fatima Mello[fofinha]
 
entristecida com nossa  vida
me posto a pensar,
que se passa com a humanidade
por que tanto ódio tanto rancor
onde esta nosso coração
quando brigamos disputamos espaços.
Neste mundo tem lugar para todos
e só saber achar,
seja você mesmo
viva intensamente
sem precisar pisar em alguém
Não me conformo com essa maneira de ser
o amor a fraternidade ficaram posto de lado
Existe guerra em todo lugar
Poder ,brilho, paixão
Até por amizades se vê gente brigar
como se amigos irmãos
fossem peças de disputa
amizades são conquistas
que fazemos todos dias
regando com carinho
com o estender da mão…
Que se passa com meu mundo?

================================================

O mundo está muito estranho, frio, nebuloso.
Deixou de “ser” para “ter”. Coisas simples e tão necessárias deixaram de ter valor.
Eu sinto muito a falta de humanidade, de calor humano.
Sinto muito!